Na sombra dos arranha-céus
Toronto

Na sombra dos arranha-céus

Toronto-Dominion Centre edifícios
Edifícios Toronto Dominion Centre
Créditos © Manuela Marujo

 

Vivendo o dia a dia na Baixa de Toronto, reparo frequentemente em aspetos que podem passar despercebidos ao transeunte apressado.

Nos últimos dez anos, a cidade transformou-se radicalmente devido ao aparecimento de edifícios de arquitetura arrojada, e tudo indica que assim continue. Provam-no os braços dos enormes guindastes a anunciar a elevação de novos arranha-céus. Na minha frente, vejo crescer, entre outros, o polémico complexo Pinnacle, no número 1 da Yonge Street, um conjunto de seis arranha-céus em que a Sky Tower se anuncia como a torre residencial mais alta do país, com 95 andares. Não posso deixar de lembrar os testemunhos que ouvi de luso-canadianos orgulhosos que, nos anos 1960, ajudaram a construir o imponente Toronto Dominion Centre, no “Financial District” – três edifícios com cerca de 50 andares – nas ruas King e Bay, que, em muito, viriam a influenciar o design futuro da área financeira da cidade.

No meio dos grandes edifícios dessa área da cidade, muitas vezes me surpreendo, agradavelmente, ao encontrar parques verdejantes, pracinhas, pátios e becos, entre as torres, onde um escultor, pintor ou outro artista faz um aproveitamento bem planificado para embelezar e humanizar essas construções.

 

revista amar - Guindaste e Pinnacle ao fundo
Guindastes e Pinnacle ao fundo
Créditos © Manuela Marujo

 

Uma das peças de escultura mais impressionantes, que me faz parar extasiada, encontra-se no conjunto de edifícios intitulado Brookfield Place, nas ruas Bay e Wellinton, e ocupa todo um quarteirão. É a monumental obra do conhecido arquiteto espanhol Santiago Calatrava, que, com aço e vidro, recriou uma rua campestre ladeada de áceres canadianos. De forma harmoniosa, integra as fachadas de alguns edifícios históricos de interesse público e a galeria de arte Allen Lambert que oferece exposições de qualidade ao alcance do público que por ali circula livremente.

Passear nas ruas do “Financial District” de olhos atentos e com tempo para entrar nos corredores subterrâneos – que nos rigorosos invernos nos acolhem com boutiques, restaurantes, serviços variados -, pode oferecer-nos, igualmente, experiências estéticas que nos alimentam o espírito. Num dos corredores, no número 1 da York Street, podemos admirar uma obra do misterioso e controverso grafiteiro Banksy que, ao passar por Toronto, aqui deixou a sua marca distinta, preservada graças a alguém com visão e conhecimento de arte.
As pinturas, esculturas e instalações quebram a frieza dos arranha-céus que se erguem esmagadores, minimizando a presença dos poucos vestígios históricos da antiga Toronto. É essa arte urbana que legamos ao futuro cidadão.

Esta arte urbana existe graças ao programa municipal “Percent for Public” que impõe às companhias construtoras a cedência de espaços para projetos artísticos, assim como o financiamento de obras que venham a beneficiar todos os que se passeiam ou circulem por eles, depois de aprovados pela Toronto’s Public Art Comission.
No coração da cidade, onde estão localizados as mais importantes instituições financeiras e centros comerciais, podemos encontrar, no Commerce Court, a escultura “Tembo” de Derrick Stephan Hudson – uma mãe elefante gigantesca de bronze e os seus dois filhotes. No Toronto Dominion Center, a “Pastagem” do escultor Joe Fasard com vacas preguiçosas deitadas no relvado e, muito próxima, a instalação “Dreaming” de Jaume Plensa, na Richmond street.

 

revista amar - revista amar - Dreaming
“Dreaming” de Jaume Plensa
Créditos © Manuela Marujo
revista amar - Pastagem 3
Pastagem de Joe Fasard
Créditos © Manuela Marujo
revista amar - Tembo e filhotes 2
Tembo e filhotes de Derrick Stephan Hudson
Créditos © Manuela Marujo

 

Vivendo o dia a dia na Baixa de Toronto, reparo frequentemente em aspetos que podem passar despercebidos ao transeunte apressado.

Nos últimos dez anos, a cidade transformou-se radicalmente devido ao aparecimento de edifícios de arquitetura arrojada, e tudo indica que assim continue. Provam-no os braços dos enormes guindastes a anunciar a elevação de novos arranha-céus. Na minha frente, vejo crescer, entre outros, o polémico complexo Pinnacle, no número 1 da Yonge Street, um conjunto de seis arranha-céus em que a Sky Tower se anuncia como a torre residencial mais alta do país, com 95 andares. Não posso deixar de lembrar os testemunhos que ouvi de luso-canadianos orgulhosos que, nos anos 1960, ajudaram a construir o imponente Toronto Dominion Centre, no “Financial District” – três edifícios com cerca de 50 andares – nas ruas King e Bay, que, em muito, viriam a influenciar o design futuro da área financeira da cidade.

 

revista amar - Brookfield Place 3
Brookfield Place
Créditos © Manuela Marujo
revista amar - Arranha -ceus 2MG_8021
Esculturas rodeadas por arranha-céus
Créditos © Manuela Marujo

 

No meio dos grandes edifícios dessa área da cidade, muitas vezes me surpreendo, agradavelmente, ao encontrar parques verdejantes, pracinhas, pátios e becos, entre as torres, onde um escultor, pintor ou outro artista faz um aproveitamento bem planificado para embelezar e humanizar essas construções.

 

revista amar - City people, Catherine Widgery 2
“City People” de Catherine Widgery
Créditos © Manuela Marujo
revista amar - Interior Escadaria Joshua Kalfa
Escadaria interior de Joshua Kalfa
Créditos © Manuela Marujo
revista amar - Banksky 2
Obra de Banksy
Créditos © Manuela Marujo
revista amar - Esculturas Scotia Arena
Esculturas na Scotia Arena
Créditos © Manuela Marujo

 

Uma das peças de escultura mais impressionantes, que me faz parar extasiada, encontra-se no conjunto de edifícios intitulado Brookfield Place, nas ruas Bay e Wellinton, e ocupa todo um quarteirão. É a monumental obra do conhecido arquiteto espanhol Santiago Calatrava, que, com aço e vidro, recriou uma rua campestre ladeada de áceres canadianos. De forma harmoniosa, integra as fachadas de alguns edifícios históricos de interesse público e a galeria de arte Allen Lambert que oferece exposições de qualidade ao alcance do público que por ali circula livremente.

Passear nas ruas do “Financial District” de olhos atentos e com tempo para entrar nos corredores subterrâneos – que nos rigorosos invernos nos acolhem com boutiques, restaurantes, serviços variados -, pode oferecer-nos, igualmente, experiências estéticas que nos alimentam o espírito. Num dos corredores, no número 1 da York Street, podemos admirar uma obra do misterioso e controverso grafiteiro Banksy que, ao passar por Toronto, aqui deixou a sua marca distinta, preservada graças a alguém com visão e conhecimento de arte.
As pinturas, esculturas e instalações quebram a frieza dos arranha-céus que se erguem esmagadores, minimizando a presença dos poucos vestígios históricos da antiga Toronto. É essa arte urbana que legamos ao futuro cidadão.

Manuela Marujo

Redes Sociais - Comentários

Ver também
Fechar
Botão Voltar ao Topo