Alto Douro Vinhateiro: 20 anos de Património da Humanidade
CrónicasTurismo

Alto Douro Vinhateiro: 20 anos de Património da Humanidade

revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade

 

No passado dia 14 de dezembro, o Alto Douro Vinhateiro comemorou duas décadas da sua distinção como Património Mundial da Humanidade. Esta majestosa região do Douro, esculpida em socalcos pela arte e o engenho dos homens e mulheres durienses, ganhou uma centralidade na captação de turistas. Um território alcandorado nas duas margens do rio Douro, a cada volta e revolta do rio uma paisagem única, os miradouros como janelas para a criação do mundo e as vinhas exibem a paleta de cores dos pintores. As suas gentes preservam as histórias ancestrais, os costumes imemoriais, conservam os sabores da gastronomia duriense e vivenciam as tradições religiosas e profanas.

O nosso périplo pela região demarcada do Douro terá início na cidade da Régua, mais propriamente no Cais da Junqueira, com vista para as várias travessias do rio, um catálogo de pontes para todos os gostos. As pontes rodoviárias e pedonais e sua respetiva portagem e cada uma com a sua história peculiar.

 

revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade

 

A 1ª ponte rodoviária da Régua foi inaugurada em 1872, mandada construir pelo rei D. Luís I, com a degradação do pavimento em madeira devido ao fluxo intenso entre margens, as autoridades viram-se obrigadas a aconselhar os passageiros dos transportes públicos, a apearem-se e a atravessarem a ponte a pé, retomando depois os seus lugares. Essa travessia só podia ser feita devidamente calçados, para evitar o espetar de alguma farpa de madeira nos pés dos transeuntes. Em 1949 a ponte metálica foi desativada e em janeiro de 2012 voltou a ser reativada para a circulação pedonal e de bicicletas.

As outras travessias sobranceiras ao rio, as duas outras pontes rodoviárias, a primeira a cota mais baixa, a outra a cota mais alta, duas ligações entre margens.

A primeira foi projetada para o caminho-de-ferro que nunca chegou a ser construído, a ligação ferroviária entre a linha do Douro e a cidade de Lamego na margem esquerda. Hoje em dia serve a mítica estrada nacional nº2 e a outra um viaduto imponente da autoestrada A24.

A nossa viagem recomeça a partir do Cais da Junqueira rumo à cidade ribeirinha, a marginal paralela ao rio abre horizontes aos turistas para a margem esquerda, as quintas e as marcas de vinho do porto exibem os seus outdoors promocionais. A silhueta negra da Sandeman, a Quinta da Pacheca e por último o Vale Abraão décor do filme homónimo realizado pelo cineasta Manoel de Oliveira, adaptado a partir da novela de Augustina Bessa-Luís.

A escritora Augustina Bessa-Luís refere-se assim ao vale paradisíaco, “A margem esquerda dos rios não apetece tanto, seja porque o sol a procura em horas solitárias, seja porque a povoa gente mais tristonha e descendente de homiziados e descontentes do mundo e das suas leis. A região demarcada do Douro ocupa quase a totalidade a margem direita, prova pelo menos que o reflexo solar tem efeito no negócio dos homens e lhes determina a morada. Porém, há na curva que apascenta o rio pelo rechão arrento, ao sair da Régua, um vale ribeiro de produção ainda de vinhos de cheiro e que se estende, rumo à cidade Lamego (…) É o Vale Abraão, com duas quintas e lugares de sombra que parecem acentuar a memória dum trânsito mourisco que de Granada trazia as mercadorias do Oriente, porventura, os gostos de pomares de espinho e dos vergéis de puro remanso.”

Os lugares excelsos como a Vale Abraão resistem às catástrofes, ao vil abandono e à incúria dos homens, mas o seu valor natural transcendente leva a períodos de decadência e a períodos áureos cumprindo o seu destino de lugar irrepetível.

Nos ancoradoiros da margem direita, os barcos hotéis derramam no cais os turistas ansiosos por visitar a cidade da Régua para uns, Peso da Régua para os mais antigos.

A origem da cidade remonta à época romana. Em 26 de Dezembro de 1513, D. Manuel atribuiu foral a Peso da Régua, mas alguns historiadores dizem que o 1º Foral terá sido atribuído por D. Afonso Henriques. O nome “Peso” deriva do lugar onde era efetuado o peso dos géneros e se cobravam os direitos impostos a várias mercadorias. Em 1836 foi elevada a concelho, a sua história ficou ligada à criação da Companhia Geral das Vinhas do Alto Douro, pelo Marquês de Pombal em 1756, dando origem à primeira região demarcada e regulamentada do mundo.

 

revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade
Créditos © ouro Antigo! | 1001 TopVideos

 

A região demarcada vai de Barqueiros (Mesão Frio) até Barca de Alva, ao longo do vale do rio Douro e seus afluentes. Esta região demarcada foi classificada pela UNESCO, primeiro como paisagem cultural em 1992 e em 2001 recebeu a designação de Património Mundial da Humanidade. Designada por Alto Douro Vinhateiro, é uma paisagem das mais belas do mundo que harmoniza a natureza com ação do homem.

Como região demarcada mais antiga do mundo combina a natureza monumental do vale encantado, feito de encostas íngremes e solos pobres e acidentados, com a ação ancestral, contínua e tenaz do homem. Miguel Torga o descreveu assim:

“O Doiro sublimado. O prodígio de uma paisagem que deixa de o ser à força de se desmedir. Não é um panorama que os olhos contemplam: é um excesso da natureza. Socalcos que são passadas de homens titânicos a subir as encostas, volumes, cores e modulações que nenhum escultor, pintor ou músico podem traduzir, horizontes dilatados para além dos limiares plausíveis da visão. Um universo virginal, como se tivesse acabado de nascer, e já eterno pela harmonia, pela serenidade, pelo silêncio que nem o rio se atreve a quebrar, ora a sumir-se furtivo por detrás dos montes, ora pasmado lá no fundo a reflectir o seu próprio assombro. Um poema geológico. A beleza absoluta.” (in, Diário XII).

 

revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade
Pisa do vinho – 1913 Créditos: Direitos Reservados
revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade
Trabalho no Douro Créditos: Direitos Reservados

Alves Redol no seu livro Horizonte Cerrado, do Ciclo Port – Wine – I, na voz do personagem Fontela descreve-o de forma sublime:
“Em qualquer banda uma cepa se agarra; mas do nosso, criado na fragaria…
– É verdadeiro sangue de Cristo – interveio Fontela…
– Mais do que isso!…vinho do Doiro é sangue dos homens. Sangue dos homens, pois!”

Este vinho, na região do Douro é designado por vinho generoso ou vinho fino e obtém-se a partir da junção de aguardente ao vinho que interrompe fermentação e mantém o paladar da uva. Adquiriu um nome mais comercial, sendo designado do Vinho do Porto, porque a exportação do vinho era feita a partir da Alfândega do Porto, por influência dos comerciantes ingleses.

 

revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade
Rabelos puxados por bois Créditos: Direitos Reservados

 

A partir daí e graças à sua localização geográfica, o Peso da Régua adquiriu uma importância estratégica no transporte e comercialização dos vinhos produzidos na região do Douro. Era daqui que partiam os barcos Rabelos com o seu arais ao leme carregados de pipas de vinho do Porto, em direção a Gaia.
A partir de 1887, com a construção da linha de caminho-de-ferro, os barcos perdem a sua importância e o transporte é feito de comboio.

 

revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade
Museu do Douro Créditos: Direitos Reservados

 

Como complemento a esta narrativa, a próxima paragem no Museu do Douro acrescentará um vastíssimo património museológico e documental sobre o Douro e as suas gentes. O visitante terá oportunidade de entrar num edifício outrora a preto e branco, agora recuperado na sua traça original, mantendo um equilíbrio entre a sua função de sede da Companhia do Alto Douro e os novos desafios na preservação e divulgação da cultura duriense.

 

revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade
Museu do Douro Créditos: Direitos Reservados
revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade
Museu do Douro Créditos: Direitos Reservados

 

A Casa da Companhia, que hoje alberga o Museu do Douro, é um dos mais emblemáticos edifícios da história da Região Demarcada. A sua construção está diretamente relacionada com a fundação da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro. A Companhia foi responsável pela demarcação geográfica e regulação da produção e comercialização dos vinhos do Douro. Detentora do monopólio do “vinho do Porto” para o administrar mandou construir este edifício sede, de monumentalidade reveladora do seu poder, no entreposto da Régua.

O edifício foi projetado para congregar diversas funções. Acomodava serviços administrativos que cumpriam as diretrizes reguladores e comerciais da Companhia; um tribunal para tratar dos processos jurídicos da sua esfera legal; áreas de vinificação e armazenamento de vinho; e ainda alojamento temporário para funcionários e para os vinicultores de todo o Douro que rumavam à Régua para negociarem os vinhos na feira anual. A vocação multidisciplinar do edifício conferiu-lhe características arquitetónicas particulares que combinam elementos das casas de quinta durienses e da arquitetura pombalina.

 

revista amar - douro vinhateiro - patrimonio humanidade
Estrada Nacional 222 – Pinhão
Créditos: Direitos Reservados

 

Com a manhã a meio continuamos a nossa viagem na margem esquerda em paralelo ao Rio Douro na estrada Nº 222, numa extensão de 15 km, naquela que é considerada a estrada mais bonita do mundo para viajar.
À medida que vamos avançando, na margem direita, no espelho de água formado pela barragem de Bagaúste, avistamos o reflexo das encostas ingremes e a passagem do comboio na linha do Douro. Após a breve viagem, somos chegados à bonita vila do Pinhão. No cais de embarque esperam por nós os típicos barcos Rabelos, para uma curta, mas esplendorosa viagem fluvial.

Esta nossa primeira viagem entre margens, pelo Alto Douro Vinhateiro, termina no Pinhão, a tempo de retemperar forças fazendo check-in no The Vintage House Hotel. A viagem segue dentro de momentos…

Carlos Cruchinho

 

Bibliografia consultada:

  • As Pontes na Região do Douro. Douro Blog (cruzeiros-douro.pt)
    In, Bessa-Luís, Agustina, Vale Abraão
  • REDOL, Alves (1981) “Horizonte Cerrado, do Ciclo Port – Wine – I” Mem Martins: Publicações Europa-América.
  • TORGA, Miguel (1977) “Diário XII” , Coimbra
  • Museu do Douro – Museu-douro-oedificio

Redes Sociais - Comentários

Botão Voltar ao Topo